quarta-feira, 18 de junho de 2008

Uma Farsa

Exemplo de liberdade uma ova, mentiras descabidas soam como uma ordem enquanto a valsa fúnebre reverbera em meus ouvidos cansados de tanta ladainha por um futuro cada vez mais pretérito. O conselho dos adúlteros em sua marquise de flores murchas condenam mais uma alma para a privação eterna. Frustrações, oh frustrações... tapem meus olhos e não me permitam conhecer a humiliação de um deus tão precoce. Ele não resistiu às adversidades de qualquer amor, que dirá de mim? Pobre mortal que anda sob a margem da luxúria e da correção como qualquer outro.
Mais uma vez calei e aceitei.

2 comentários:

Ana Cecilia disse...

seus escritos são intensos.


beijos querido.

{Deusa}_Kl disse...

Meu querido amigo,
Seu blog está lindo!
E continunado aqui e quem nçao é escravo da luxuria..
Todos nós meu amor..e assim seguimos...ganhando ou perdendo..

Beijos da sempre amiga

Para vc ainda a Deusa bacante..

Deusa_Kl