quarta-feira, 27 de maio de 2009

Para quê um título?

Encontrei em suas vitórias um alento para as minhas derrotas, envolto na dor de uma orgia solitária, distorcendo emoções sobre uma verborragia ilusória e inútil. Livre da distância do desejo me ponho de joelhos perante a proximidade da desilusão. Ausência de luz trancado numa caixa fúnebre e inexata. Silêncio !!!


Perdoe meu nervosismo, não esperava tanta devassidão pelo caminho. Sei que nunca me devolverás a relíquia que te entreguei de bom grado pois sei o quanto isso é valioso para mim. Nem uma equação de segundo grau seria suficiente para dissipar tamanha frustração, fico então de mãos vazias, procurando me contentar por ainda possuir pelo menos minhas antigas vestes, esgotando por fim todas as minhas possibilidades.

Tornei-me uma dolorosa piada a qual todos riram pois a minha tragédia significa o deleite de todos vocês.

Nenhum comentário: